Paula Erra (Funchal, 1973) é actriz, formadora de teatro e arte-terapeuta. Iniciou os seus estudos de Teatro, em 1989, no Teatro Experimental do Funchal. Concluiu o I, II, e III Cursos de Directores/Encenadores e Actores, promovidos pelo sector de Teatro do Inatel. Nos espectáculos em que participou, além de actriz, tem feito assistência de encenação, dramaturgia e direcção vocal de actores. Trabalhou com os encenadores Eduardo Luíz, Mário Feliciano, Fernando Augusto, Carlos Cabral, Duarte Rodrigues, Diogo Correia Pinto e Élvio Camacho. É bacharel em Educação de Infância, licenciada em Ciências da Educação e pós-graduada em Arte-Terapia. Fundou o Grupo de Teatro universitário da Universidade da Madeira (posteriormente denominado Laboratório Teatral Académico). Criou e dirigiu a actividade Educação Dramática no Estabelecimento Prisional do Funchal e no Centro de Tratamento da Toxicodependência (Centro de Saúde de Santiago). Escreveu, com Avelina Macedo, o texto dramático Um Outro Caminho. Criou e organizou, com Celina Pereira, o projecto de leituras interpretadas – Céu&Palavras. Criou, com Élvio Camacho, a Teatro Feiticeiro do Norte, onde actualmente trabalha.

Élvio Camacho (Funchal, 1975), actor e encenador, professor de interpretação, formador de teatro, criador, trabalhou, entre outros, com os encenadores: Eduardo Luíz, Mário Feliciano, Fernando Augusto, Bruno Bravo, Carlos Avilez, João Perry, João Mota, Artur Ramos, São José Lapa, Alberto Lopes, Richard Cotrell, Jorge Silva Melo, Fraga, Fernando Heitor e Luís Assis, em mais de 60 criações. Licenciado em Formação de Actores | Encenadores pela Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa. Como aluno de mérito desta escola foi actor no do Teatro Nacional D. Maria II (1998). Como bolseiro do Centro Nacional de Cultura (Prémio Jovens Criadores 2000), Ministério da Cultura, Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento, Goldfarb Foundation, Fundação Berardo, Secretaria Regional do Turismo e Cultura e da Secretaria Regional de Educação da Região Autónoma da Madeira frequentou diferentes formações de teatro na Roménia, Itália, França, Estados Unidos da América e Inglaterra. Fundou a Teatroteca Fernando Augusto no TEF | Companhia de Teatro onde nasceu para a profissão... continua, entre outras actividades, a exercê-la quer como actor, quer como meta-actor em diversas partes. Em 2013, fundou, com Paula Erra, a Teatro Feiticeiro do Norte.

Armando Nascimento Rosa (Évora, 1966) é um dos dramaturgos portugueses vivos mais representados, desde a sua estreia cénica em 2000, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, com Lianor no país sem pilhas, peça distinguida com o Prémio Revelação Ribeiro da Fonte. Nascimento Rosa é autor de cerca de trinta obras dramáticas, incluindo dois libretos de ópera, com música de Hugo Ribeiro, vencedoras do concurso Ópera em Criação (Teatro São Luiz, 2008 e 2010). De outras distinções recebidas por obras suas, destacam-se: em 2008, o Prémio Albufeira de Literatura, com Visita na prisão ou O último sermão de António Vieira; em 2011, o Prémio Nacional de Teatro Bernardo Santareno, com Em viagem para Belle Reve; em 2012, o Prémio Literário Aldónio Gomes, com Duas peças com História(s); e em 2014, a escolha da sua peça Resgate, por um júri catalão, para representar Portugal no Festival of Dramaturgy on the Crisis - PIIGS, em Barcelona (Teatro Nau Ivanow) e em Milão (Piccolo Teatro Grassi). A sua peça Menino de Sua Avó, escrita para Maria do Céu Guerra, apresentou-se, numa produção do Teatro A Barraca, como espectáculo teatral de encerramento do Ano de Portugal no Brasil, no Rio de Janeiro (Teatro Dulcina), em maio de 2013, reinaugurando a seguir o Teatro Popular Oscar Niemeyer, em Niterói, em outubro de 2013, estando neste momento de novo em digressão no Brasil, como espectáculo convidado no Festival Internacional de Teatro de Angra dos Reis.
Nascimento Rosa tem peças traduzidas em inglês, espanhol, catalão, italiano, francês, grego e sérvio, várias delas já publicadas em livro e com encenações e/ou leituras encenadas em Londres, Madrid, Barcelona, Nova Iorque, Zurique, Milão, Araraquara, Nova Orleães e Ítaca (EUA). Autor de duas dezenas de livros de teatro e/ou de ensaio, é doutorado em Estudos Portugueses, pela Universidade Nova de Lisboa, sendo professor na Escola Superior de Teatro e Cinema do Instituto Politécnico de Lisboa, desde 1998, onde coordena os mestrados em Artes Performativas e em Teatro e Comunidade.
O estudo e a criação associados à obra de Fernando Pessoa têm marcado presença na dramaturgia de Nascimento Rosa, através de peças como: Audição – com Daisy ao vivo no Odre Marítimo (estreada em Lisboa em 2003, com encenação de Élvio Camacho, no Teatro Maria Matos, e com uma nova produção pelo TEF, em 2004, dirigida por Eduardo Luiz, estreada no Teatro Baltazar Dias); Cabaré de Ofélia (2007); bem como a peça já mencionada Menino de sua Avó (2013). Pessoano é também o projecto musical O Piano em Pessoa, dinamizado em parceria com o pianista António Neves da Silva, em que Nascimento Rosa, também autor musical, actua como cantor e compositor, estreado em concerto na Aula Magna da Universidade de Barcelona em outubro de 2012.

 

 

 

Top