Margarida Mendes é curadora, educadora e activista. Em 2009 fundou o espaço de projectos The Barber Shop em Lisboa, coordenando um programa de seminários e residências dedicado à investigação artística e filosófica. A sua pesquisa - com enfoque no cruzamento da cibernética, filosofia, ecologia e filme experimental - explora as transformações dinâmicas do ambiente e o seu impacto nas estruturas sociais e no campo da produção cultural. Em 2016 integrou na equipa curatorial da 11a Gwangju Biennale, na Coreia do Sul e co-digiriu a temporada piloto de escuelita, uma escola informal no Centro de Arte Dos de Mayo (CA2M), Madrid. Em 2018 foi co-curadora da exposição "Digestion School" integrante na 4a Bienal de Design de Istanbul, "A School of Schools”.

---------------------------------------------------------------------------------------------------

Joana Fervença (1988, Lisboa)
Artista visual, vive e trabalha em Lisboa. Realizou a licenciatura e mestrado em Arquitectura pelo Departamento de Arquitectura da Universidade Autónoma de Lisboa (da/UAL), estudo intercalado com Desenho no Ar.Co, em Lisboa. Entre as mostras mais recentes: ‘Os Índios da Meia-Praia (do arco, da flecha e do desenho)’ na Galeria 111, 2016. Em 2017, participa nos ‘Encontros para Além da História’ do Centro de Artes José de Guimarães, em Guimarães, sob o tema ‘As Magias: uma curadoria-coreografia em torno da figura de Herberto Helder’. No mesmo ano mostra ‘watercourse’, exposição em colaboração com António Poppe na Galeria 111, Lisboa, e participa na exposição colectiva “Quando alguém morria perguntavam apenas: tinha paixão?” no Sismógrafo, Porto. Recentemente participou na edição portuguesa de Drawing Room Lisboa, com curadoria de Maria do Mar Fazenda, representada pela Galeria 111.

joanafervenca.com

---------------------------------------------------------------------------------------------------

António Poppe (1968, Lisboa)
Artista visual, poeta, perfomer, vive e trabalha em Lisboa. Estudou no Ar.Co (Centro de Arte e Comunicação Visual), no Royal College of Arts em Londres e na School of the Art Institute of Chicago como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento onde realizou um Mestrado em Arte Performativa e Cinema. Tem trabalho híbrido de poesia e artes visuais editado pela Assírio & Alvim (Torre de Juan Abad, 2001), Documenta (Livro da Luz, 2012) e Douda Correria (medicin. em 2015 e come coral em 2017). Já actuou e/ou expôs em espaços como o Museu de Serralves, Galeria ZDB, CIAJG, Galeria 111, Culturgest, Fundação Carmona e Costa, entre outros. Em 2018 participa em ‘Encontros para Além da História’, no Centro de Artes José de Guimarães (CIAJG) sob o tema  “O Nascimento da Arte (d’après Georges Bataille)” em parceria com Mumtaz; e recentemente ‘Collaboration I, II, III, IV’, performance em colaboração com Musa Paradisiaca com curadoria de Filipa Oliveira pelo Quetzal Art Centre em Jachthuis Schijf, Holanda.

---------------------------------------------------------------------------------------------------

Marta Wengorovius (1963, Lisboa)

É artista e investigadora. A sua pesquisa plástica e pessoal é multidisciplinar dialogando com outras disciplinas artísticas e científicas. É doutoranda em Arte Contemporânea no Colégio das Artes da Universidade de Coimbra onde desenvolve a tese Um, dois e muitos.
Expõe individualmente desde 1989. Das exposições e acções mais recentes destacam-se Um, dois e muitos, Museu Nacional de História Natural e da Ciência, curadoria Paulo Pires do Vale, 2018; Escola Nómada, Appleton Square, 2018; Extática Esfinge. Desenho e Animismo II, Centro Internacional das Artes José de Guimarães, curadoria Nuno Faria, 2017; Transmission, Recréation et Repétition, Palais des Beaux-Arts, Paris, curadoria Sarina Basta, 2015; Um, dois e muitos – Uma ilha em exposição, curadoria Sarina Basta, Museu Carlos Machado, Ponta Delgada, São Miguel, Açores; Focus – drawings for use, Festival of Ephemeral Art, Sokolovsko, Polónia, 2013; Cabana de Leitura, Biblioteca do Um, dois e muitos, Trienal de Arquitectura, Lisboa, 2013; A Grande Saúde, Fundação EDP, Lisboa, 2012; O caminho de Nietzsche, Serra da Arrábida, 2012; Objectos de Errância, Museu do Chiado, 2011; Mise à nu par l´action (Centre Culturel Calouste Gulbenkian, Paris, 2009.

martawengorovius.com

---------------------------------------------------------------------------------------------------

Manon Harrois (1988, Reims, France)
Lives and works in Troyes

She studied at ENSAAMA Olivier de Serres, Paris. She was awarded the Jean Walter Zellidja
research prize by the French Academy and spent a year in the Sahara Desert in Niger with the nomadic communities of the Tuaregs and the Fula. Presented by Gilles Fuchs, she exposed in the Galerie Premier Regard, Paris (2014).
The artist has had several art residencies : Collège Albert Camus with CAC Passages, Troyes (2017-18); CNCM Césaré, Reims (2016-17-18); Artistes en résidence, Clermont Ferrand (2017); Sharjah Art Foundation, United Arab Emirates UEA (2016); CAMAC Art Centre, Marnay sur Seine (2016); MAC Valdivia, Chile (2015) ; CAC Passages, Troyes (2014); Residency Unlimited, New York, USA (2014) .
Her work has been shown in venues such as CAMAC , Marnay sur Seine (2016); CNCM Césaré (2016-17); Cryptoportique, Reims (2015); Parc Naturel de la Montagne de Reims, Pourcy (2015); Galerie Premier Regard, Paris, CAC Passages, Troyes, and MAC, Valdivia, Chile (2014); The Window, Paris (2013); CCFN Jean Rouch, NIamey, Niger (2011).

Among her numerous performances and collective works are Arquipelago Centro de artes – Sao Miguel - Azores (2018); FRAC Champagne Ardenne, Reims (2017); ANOZERO 17 Biennial, Coimbra, Portugal (2017); Jeune Creation, Galerie Thaddaeus Ropac, Paris-Pantin (2016), Nema Tog Podruma5 Subject Vrijdag, Antwerp (2015); Art is Hope pour Aides, Piaza, Paris (2014-15); Deformes Biennial, Santiago, Chile (2014); Galeria Artopia, Milan, Italia (2014).

The work of Manon Harrois has started to be collected by Blake Burn (USA), Jimmy Traboulsi (Lebanon); Gilles Fuchs (France).
Prisme Mécénat d'entreprise Champagne Ardenne, Monography of the l'Artothèque of the Région Champagne Ardennes. She received the support of the ministère of culture from the State and the Region Grand Est since few years to produce and show her experimental work as artist researcher.

Conferences and workshops
> "l'improvisation comme une strategie de survie. Formes de Feu"
FRAC Champagne Ardenne ( Sciences Po, Reims, 2018)
> "Nos migrations"
Collège Albert Camus, La Chapelle St Luc
with Isabelle Coutant, Sociologist (2018)
> " Nos migrations"
Collège Albert Camus , La chapelle St Luc -France / CAC Passages, Troyes (2017-2018)
> "Synesthesia" Sharjah Art Foundation Emirates with the composer Uriel Barthelemi (2016)
>"Performing study"
Univeristy of Chile, Santiago
Performance BIennial (2014-2015)

http://bonjour.manonharrois.com/

"L'oeuvre de Manon Harrois n’existe pas. Ou n’existe qu’en circulation, d’une pratique à l’autre, d’un pays à l’autre, ici, là. Jamais vraiment finie, son oeuvre mouvante se donne ainsi à voir dans le flux sans fin du vivant, dans le flux sans fin d’un “work in progress” saisissant. ici, la performance est une ébauche au dessin." Michel Nuridsany

---------------------------------------------------------------------------------------------------

Sara Bichão (Lisboa, 1986)
Vive e trabalha em Lisboa

Completou a licenciatura e o mestrado em Pintura na Faculdade das Belas Artes de Lisboa (2008, 2011). Integrou várias residências artísticas, Residency Unlimited (2012, USA), PIRA ADM (2016, MX), Artistes en Résidence (2017, FR), e no Centro de Artes Arquipélago (2018, PT). Expõe desde 2009, destacando-se as exposições individuais mais recentes: Encontra-me, mato-te (2018), Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; Coastal (2017), Barbara Davis Gallery, Houston; O meu sol chora , Fundação das Comunicações, Lisboa; Somebody’s Address (2016) e Open Gates (2014), Rooster Gallery, Nova Iorque; Recheio (2014), Carpe Diem Arte e Pesquisa, Lisboa. Das colectivas: Geometria Sónica (2018), Centro de Artes Arquipélago, S. Miguel, Açores; Chama (2018), Atelier-museu Júlio Pomar, Lisboa; Extática Esfinge (2017), CIAJG , Guimarães; Curar e Reparar (2017), Bienal Anozero, Coimbra; O Que Eu Sou (2017), MAAT, Lisboa; Now, this is fucking too hot (2017, com Manon Harrois), Les Ateliers, Clermont-Ferrand; Puras Cosas Nuevas (2017), Pantalla Blanca, Cidade do México; }{ { } (2015, com Omar Barquet), Diagrama, Cidade do México; Eccentric Exercise II (2015), KCB , Belgrade; Soundless Harmonies (2014), Artopia Gallery, Milão; Eccentric
Exercise I (2013), Les Gens Heureux, Copenhaga; Uma Coisa a Seguir à Outra (2013, com Miguel Ângelo Rocha), Quadrum Gallery, Lisboa; Extending the Line (2012), Arevalo Gallery, Miami.

O seu trabalho está representado em várias colecções públicas: Fundação Calouste Gulbenkian; MAAT; Câmara Municipal de Lisboa; Fidelidade Mundial; Figueiredo Ribeiro; António Cachola; Norlinda e José Lima; Midfirst Bank Arizona; Benetton Foundation, entre outras.

Foi premiada pela Fidelidade Mundial – Jovens Pintores (menção honrosa, 2009), pelo Anteciparte (artista seleccionada, 2009) e pelo BPI/FBAUL (1º prémio na categoria de pintura, 2008).

www.sarabichao.com

---------------------------------------------------------------------------------------------------

Nuno Faria (Lisboa, 1971)

Curador. Actualmente é director artístico do CIAJG - Centro Internacional das Artes José de Guimarães.
Entre 1997-2003 e 2003-2009 trabalhou no Instituto de Arte Contemporânea e na Fundação Calouste Gulbenkian, respectivamente. Viveu e trabalhou no Algarve entre 2007 e 2012 onde, entre outros projectos, fundou (em Loulé, em 2009) o projecto Mobilehome - Escola de Arte Nómada, Experimental e Independente.
É professor na ESAD - Escola de Artes e Design das Caldas da Rainha.

 

Top