SEMINÁRIO
Perspectiva e Imperialismo - e outras fitas mais
por José António Leitão

20 a 25 de Agosto 2012: das 20:30 às 23 horas
27 e 28 de Agosto 2012: das 20:30 às 23 horas

Histórias de imagens em movimento e em repouso, histórias de culturas antigas e recentes, altas e baixas. Roger O. Thornhill ensina-nos aquilo que Barack Obama, de alguma forma, já saberá: que a perspectiva é a construção de um espaço de conquista, centralizado e globalizador. Norman Bates guia-nos pelo "peep show" do arquitecto Brunelleschi e mostra-nos os seus avessos de vertigem. John "Scottie" Ferguson conhece bem essa vertigem, mais intimamente do que os arquitectos Vasari ou Vignola ou do que o pintor Tintoretto. O detective Frank Webber e o "Necktie Murderer" ensinam-nos que perspectivar também é enquadrar, o que, se quer dizer escolher, quer também dizer fragmentar, retalhar, estropiar. Vertical e horizontal, para cima e para baixo, plano e profundidade, para lá e para cá. Uma espada de dois gumes, dizia Panofsky da perspectiva — espada que fura e que corta, instrumento de conquista, veremos nós.

Nota biográfica

José António Leitão (1962) é Mestre em História da Arte pela Universidade Nova de Lisboa (1990) e professor do Departamento de História e Teoria da Arte do Ar.Co - Centro de Arte e Comunicação Visual desde 1992. Tem trabalhado e publicado, principalmente, sobre Lisboa, a cidade modernista, a revista "Ilustração Portuguesa", Rafael Bordalo Pinheiro, Alfred Hitchcock, o retrato, o cinema e a fotografia.
Na Porta 33, em 2011, realizou o seminário intitulado "Auto-Re-Presentação: retrato, fotografia, readymade"

Top