Mariana Brandão
Passos Em Volta: história da Performance no contexto das Artes

De que falamos quando falamos de Performance e Performing Arts?
Sabemos que a terminologia não está estabilizada, e que isso provavelmente decorre da multiplicidade de variáveis implicadas em cada um destes conceitos e da utilização que deles tem sido feita, assim como contribui para a evidência dum território intermédio, mais vezes intuído do que reflectido.
Estas designações instáveis e abertas são um óptimo pretexto para convidar todos os interessados em conhecer, conversar e experimentar vários aspectos em torno da Performance.
Estes dois campos apresentam evidentes proximidades, proveniente de aspectos marcantes da sua caracterização, tal como a tónica no uso do corpo e a efemeridade dos objectos artísticos.
Artistas, profissionais do espectáculo, teóricos e público em geral deparam-se com uma instabilidade que importa aprofundar, e onde nos parece poder residir um espaço de grande interesse, conferido pela diversidade e flexibilidade que implica e sugere.

Os Passos em Volta, "roubados" a Herberto Helder, serão neste curso dados por aqueles que reconhecem à instabilidade e à insegurança um enorme potencial.

 

Mariana Brandão: biografia (resumo)

Mariana Brandão nasceu em 1976 no Porto. Vive e trabalha em Lisboa. Licenciada e Mestre em História, variante Arte, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Tem repartido a sua actividade no campo das artes pelo Serviço Educativo da Fundação de Serralves, Direcção-Geral das Artes e na dança, primeiro como bailarina e posteriormente como formadora e professora do Ensino Vocacional e Superior. Entre 1995 e 2008 foi professora de Dança e História da Dança no âmbito do Ensino Artístico Especializado. Colaboradora da Fundação de Serralves entre 1999 e 2008. Colaboradora da Direcção-Geral das Artes do Ministério da Cultura entre 2008 e 2011. É actualmente professora universitária e bolseira da FCT no Doutoramento em Arte Multimédia.

 

Bibliografia recomendada:

BANES, Sally (ed.) (1993). Democracy’s Body, Judson Dance Theatre, 1962 – 1964. Duke University Press
BANES, Sally (ed.) (2003). Reinventing Dance in the 1960s. The University of Wisconson Press
BROADHURST, Susan (1999). Liminal Acts – A Critical Overview of Contemporary Performance and Theory. Cassel
BROWN, Trisha (2008). Trisha Brown: So That The Audience Does Not Know Whether I Have Stopped Dancing.
Walker Art Center CELANT, Germano (ed.)(1999). Merce Cunningham. Milano: Edizione Charta FEHER, Michel (ed.) (1989). Fragments for a History of the Human Body. The MIT Press GOLDBERG, Roselee (2007). A Arte da Performance – Do Futurismo ao Presente. Orfeu Negro GOLDBERG, Roselee (1988). Performance Art – From Futurism to the Present. Thames and Hudson ILES, Chrissie (2001). Into the Light, The Projected Image in American Art 1964-1977. Whitney Museum of American Art JONES, Bill T. & GILLESPIE, Peggy, (1995). Last Night on Earth. New York: Pantheon Books LEPECKI, André (ed.). Of the Presence of the Body – Essays on Dance and Perfomance Theory. Wesleyan MOLINA, Juan José Gómez Molina (coord.) (2007). La Representación de la Representación. Madrid: Cátedra MONTANO, Linda (ed.). Performance Artists Talking in the Eighties. University of California Press RAINER, Yvonne (2006). Feelings Are Facts, a Life. The MIT Press RAINER, Yvonne (1989). The Films of Yvonne Rainer. Indiana University Press RANCIÈRE, Jacques (2010). O Espectador Emancipado. Orfeu Negro ROSENTHAL, Stephanie, (ed.). Move. Choreographing You. Hayward Publishing SCHIMMEL, Paul, (ed.) (1998). Out of Actions – between performance and the object, 1949-1979. Thames & Hudson STAFFORD, Barbara (1997). Body Criticism, Imaging the Unseen in Enlightenment Art and Medicine. The MIT Press VERGINE, Lea (2000). Body Art and Performance-The Body as Language. Skira WILHELM, Richard (1995). O Pequeno I Ching. São Paulo: Editora Pensamento (a propósito de Cunningham e sua concepção de dança e método coreográfico)
Porta33 Dia 5 de Maio, das 18 às 20,30 horas
Dia 6 de Maio, das 18 às 20,30 horas
Dia 7 de Maio, das 10 às 13 horas e das 15 às 18 horas
Dia 8 de Maio, das 11 às 13 horas

Top