Nuno Henrique
Porta33> 04.09.2010> 30.10.2010

“O velho Dragoeiro que existia na Ponta do Garajau caiu ao mar durante uma chuvada intensa de sudeste, ocorrida no equinócio de Outono de 1982.”




“calco de inscrição 6ª (Beta Patula)”, 2009.<br>
Papel humedecido e pressionado sobre incrição lapidar, colado com polímero de acetado de polivinil, 64x45cm “calco de inscrição 6ª (Beta Patula)”, 2009.<br>
Papel humedecido e pressionado sobre incrição lapidar, colado com polímero de acetado de polivinil, 63,3x43cm “calco de inscrição 7 (Cerastium Vagans) ”, 2009.<br>
Papel humedecido e pressionado sobre incrição lapidar, colado com polímero de acetado de polivinil, 45x64cm “calco de inscrição 11 (Echinodium Setigerum) ”, 2009.<br>
Papel humedecido e pressionado sobre incrição lapidar, colado com polímero de acetado de polivinil, 29,5x41,5cm “calco de inscrição 21 (Lobularia Canariensis Rosula-Venti) ”, 2009.<br>
Papel humedecido e pressionado sobre incrição lapidar, colado com polímero de acetado de polivinil, 44,5x64,5cm “calco de inscrição 25a (Normania Triphylla) ”, 2009.<br>
Papel humedecido e pressionado sobre incrição lapidar, colado com polímero de acetado de polivinil, 84x58cm “calco de inscrição 38 (Tylimanthus Madeirensis) ”, 2009.<br>
Papel humedecido e pressionado sobre incrição lapidar, colado com polímero de acetado de polivinil, 29,8x42cm <em>Catálogo de Epigrafia – 40 calcos</em>, 2010. Transfere com salicilaro de  metilo sobre papel, a partir de  fotocópia, 44x30,5cm, 176 páginas, encadernado.<br>
Livro de Artista, exemplar único. (Capa) <em>Catálogo de Epigrafia – 40 calcos</em>, 2010. Transfere com salicilaro de  metilo sobre papel, a partir de  fotocópia, 44x30,5cm, 176 páginas, encadernado.<br>
Livro de Artista, exemplar único. Páginas 30 e 31 <em>Catálogo de Epigrafia – 40 calcos</em>, 2010. Transfere com salicilaro de  metilo sobre papel, a partir de  fotocópia, 44x30,5cm, 176 páginas, encadernado.<br> 
Livro de Artista, exemplar único. Páginas 34 e 35 <em>Catálogo de Epigrafia – 40 calcos</em>, 2010. Transfere com salicilaro de  metilo sobre papel, a partir de  fotocópia, 44x30,5cm, 176 páginas, encadernado.<br>
Livro de Artista, exemplar único. Páginas 50 e 51 <em>Catálogo de Epigrafia – 40 calcos</em>, 2010. Transfere com salicilaro de  metilo sobre papel, a partir de  fotocópia, 44x30,5cm, 176 páginas, encadernado.<br>
Livro de Artista, exemplar único. Páginas 90 e 91 <em>Catálogo de Epigrafia – 40 calcos</em>, 2010. Transfere com salicilaro de  metilo sobre papel, a partir de  fotocópia, 44x30,5cm, 176 páginas, encadernado.<br>
Livro de Artista, exemplar único. Páginas 106 e 107 <em>Catálogo de Epigrafia – 40 calcos</em>, 2010. Transfere com salicilaro de  metilo sobre papel, a partir de  fotocópia, 44x30,5cm, 176 páginas, encadernado.<br>
Livro de Artista, exemplar único. Páginas 158 e 159
"calco de inscrição 6ª (Beta Paula), 2009.
Papel humedecido e pressionado sobre incrição lapidar, colado com polímero de acetado de polivinil, 64x45cm"

Ficção arqueológica

A expressão que dá título a este texto é um conceito que Nuno Henrique (Funchal, 1982), que concluiu o curso de Escultura na FBAUP, e que vive em Lisboa, onde é bolseiro da Porta33 no Ar.Co, utiliza para descrever a instalação que mostra em 'Linha de partida". A qual é constituída por uma selecção de espécies da flora existente na ilha da Madeira e na qual o artista é apresentado como se fosse um explorador munido de instrumentos precisos de medição e registo e a obra a apresentação de uma viagem, exploratória e iniciática, aos locais mais escondidos da ilha.

O gesto a que se assiste nesta instalação é duplo: por um lado corresponde ao traçar da fisionomia da ilha, por outro à integração desses elementos num outro universo de sentido. Um mecanismo de construção e transposição próprio da ficção que, como se sabe, é uma arte combinatória: usa o conhecido para dar uma forma, um nome ou uma intensidade ao que náo se conhece.

As diferentes espécies botânicas que o artista estuda são pontos de partida para a criação de objectos (calcos feitos de acordo com o vulgar método arqueológico) que depois de colocados na parede transformam o espaço do museu, num gabinete naturalista: as formas e cores visíveis documentam o mundo natural, são registos de espécies que o artista desloca para dentro do museu e que passam a constituir o centro da atenção. Assim, os calcos (que são negativos de inscrições dos nomes latinos das espécies botânicas) transformam cada objecto fixado na parede num achado arqueológico, peças que reenviam para uma outra dimensão temporal e espacial.

Mas é enquanto metamorfose espacial que esta obra de Nuno Henrique atinge a sua verdadeira dimensão. Nela percebe-se a recuperação da ligação entre arte e natureza que depois do séc. XVII se tem vindo a desfazer. Um vínculo cada vez mais ténue e que aqui se torna intenso e audível. O sentido desta ligação não é, como numa estética kantiana, estabelecido através da experiência da beleza, mas é criado através do percurso (que é uma experiência afectiva) que se estabelece entre a ilha e o visitante do museu.

O interesse do artista na flora madeirense reside não só na forma individual de cada espécie botânica, mas no estado de receptividade e criatividade que aquele que observa a natureza tem de possuir. Um estado no qual, diria Wittgenstein a propósito de Goethe, os pensamentos surgem tão vivos e tão plásticos como a própria natureza e que dá origem à disposição anímica própria daqueles que fazem poesia. Um estado disposicional que não se caracteriza pelo fazer do poema, mas por um certo modo de sentir e intuir o mundo que se habita. E é esta disposição que tanto o naturalista, o poeta e o artista partilham e que Nuno Henrique transporta para o museu contemporâneo.

Nuno Crespo 2009

Top