'Funchal a pé, ao pé da pele'

'Funchal a pé, ao pé da pele' é uma viagem-narrativa criada no âmbito do projeto Ilhéstico, e conduzida a dois olhares e quatro mãos. De um lado, temos a mediadora cultural Catarina Claro, e do outro, a arquiteta paisagista Sara Costa. Com elas, a Porta33 vai mostrar a cidade como nunca antes esta foi vista e sentida. 

Percorrendo ruas e lugares históricos, com paragens em alguns dos pontos do roteiro de arte contemporânea inaugurado pelo Ilhéstico, contar-se-ão estórias deste e de outros tempos e mergulhar-se-á na anatomia da urbe. A pé, e bem ao pé da pele, o que propomos é uma experiência sensorial intensa, capaz de atravessar todas as camadas da pele da cidade, num exercício de sensação e (re)interpretação por dentro do corpo de cada pedra, de cada folha, de cada pedaço de chão, de cada lufada de sol, de ar e de mar. Porque um lugar, ainda que [tão] inscrito no nosso quotidiano, é sempre muito mais do que aquilo que vemos. E é preciso escutá-lo.

Partindo da mesma matriz conceptual e afetiva, esta viagem surge bifurcada em dois registos distintos, propondo percursos que, embora dialoguem entre si, crescem em sentidos diferentes e com desígnios também eles diferentes. Duas viagens desenhadas dentro da viagem viva e contínua que é o Ilhéstico.

Para lá da Porta, que comece a viagem. 
Eis a nossa proposta:

SARA COSTA
De Leste a Oeste

Percursos guiados por Sara Costa
Das 11h30 às 12h30

Percorrer para sentir a cidade. Passo após passo, de leste a oeste, acompanhados da luz na calçada, a Porta33 sai para ouvir o diálogo entre a cidade nova e a história de cada esquina, inspirando rotinas e transpirando visões.

 

12 outubro
Ponto de encontro: Largo do Socorro (Barreirinha) — 11:30h
– Rua de Santa Maria – Parque do Almirante Reis

02 novembro
Ponto de encontro: Mercado dos Lavradores — 11:30h
- Rua Dr. Fernão de Ornelas – Largo do Phelps – Rua Direita – Largo do Pelourinho

23 novembro
Ponto de encontro: Praça do Povo — 11:30h
– Avenida Gonçalves Zarco – Largo da Restauração – Jardim Municipal do Funchal

30 novembro
Ponto de encontro: Parque de Santa Catarina, junto à estátua do Infante D. Henrique — 11:30h
 – Rotunda Dr. Francisco de Sá Carneiro – Praça do Mar

07 dezembro
Ponto de encontro: Largo da Cruz Vermelha — 11:30h
– Rua dos Ferreiros – Largo do Município – estátua Semeador no jardim da Câmara Municipal do Funchal

14 dezembro
Ponto de encontro: Largo da Cruz Vermelha — 11:30h
– Rua das Mercês – Rua de São Pedro – Rua da Mouraria – Rua da Carreira 

CATARINA CLARO
Visitas em quatro andamentos

Percursos guiados por Catarina Claro 
Das 10h00 às 13h00

A Porta33 sai fora de portas para percorrer o Funchal e ver de perto os lugares de sempre, a partir da arte contemporânea. Um percurso por quatro espaços, a quatro ritmos, com quatro criadores madeirenses. Um novo olhar para a Cidade à espera de se dar a (re)conhecer.

 

19 outubro
O fio da(s) memória(s) *

- Museu Quinta das Cruzes - Casa Museu Frederico de Freitas - Torre da CM Funchal - Atelier Patrícia Pinto

 

26 outubro
Estórias que não se contam *

- Café Estoril - Jardim Municipal - Capela de S. Luís | Museu de Arte Sacra do Funchal - Museu a Cidade do Açúcar 

*Ponto de Encontro na Porta33 às 10:00h

PARA O PÚBLICO EM GERAL, A PARTIR DOS 7 ANOS
Aconselhamos o uso de roupa e calçado confortáveis.
Preços: 1 participante 5 euros | 2 ou mais participantes 3 euros (preço por pessoa) | para crianças até aos 12 anos a participação é gratuita. Os percursos realizam-se a partir de um número mínimo de 5 participantes até ao limite máximo de 20, mediante inscrição prévia até 24 horas antes.

INSCRIÇÕES NA PORTA33 de terça a sábado das 16h às 20h
por email:porta33@porta33.com | por telefone 91 616 57 20
Porta33
Rua do Quebra Costas 33
9000-034 Funchal
tel: (+351) 291 743 038

Catarina Claro

Nasceu no ano de 1986 em Lisboa, mas foi a outra margem do Tejo que a viu crescer.
Desde pequena que gosta de sopa, fala pelos cotovelos e canta para afugentar o medo do escuro. Nuca gostou de lugares apertados; passarinho é o seu nome do meio.
Licenciada em Animação Sociocultural pela Escola Superior de Educação de Beja, mais tarde lançou-se para outros voos e fez ninho em Barcelona, onde cursou o Mestrado em Artes Visuais e Educação, na Faculdade de Belas Artes de Barcelona.
Mediadora Cultural por vocação e missão, tem desenvolvido a sua atividade profissional no âmbito da Educação Artística e Sociocultural como autora e coautora de projetos educativos para públicos diferenciados, junto de instituições como a Fundação Calouste Gulbenkian e a Fundação EDP. Colabora como Educadora Artística com diversas Câmaras Municipais, Serviços Educativos de Bibliotecas, Museus e Teatros do país. Formadora certificada, deu aulas no e Ensino Superior e Profissional.
Os seus projetos cobrem e cruzam uma vasta área disciplinar que vai da animação da leitura à expressão corporal e dramática, passando pelas artes plásticas.
Em 2016 fez do seu ninho Casa Invisível - Associação Cultural - e voou rumo à ilha da Madeira, onde atualmente colabora com os Serviços Educativos da Porta33, do Teatro Municipal Baltazar Dias e do MUDAS - Museu de Arte Contemporânea da Madeira. 


Sara Costa

Nasceu no Funchal no ano de 1985. Ingressou na licenciatura de Arquitectura Paisagista na Faculdade de Engenharia e Recursos Naturais (actual Faculdade de Ciências e Tecnologia) da Universidade do Algarve. Como projecto desenvolveu uma análise da Ilha do Porto Santo tendo em vista a sua elevação a Geoparque da UNESCO. Em meados de 2009 regressa à Ilha da Madeira para estagiar no gabinete de ordenamento do Território da Câmara Municipal de Câmara de Lobos, onde trabalhou durante 1 ano.
Em 2011, vai viver para Lisboa onde trabalhou, a título voluntário, no Jardim Botânico da Ajuda e Jardim Botânico pertencente ao Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa (MUHNAC-ULisboa).
Em 2012, regressa ao Funchal e aprofunda os seus conhecimentos em botânica, frequentando uma formação em plantas endémicas e exóticas da Madeira, que teve como trabalho final um projecto intitulado “A Feiteira Madeirense”, requalificando uma parte dos jardins do Hotel Quinta Jardins do Lago. Nesse mesmo ano, ingressa na Universidade da Madeira na pós-graduação em Arte e Design no Espaço Público.
Em 2013 volta à cidade Pombalina, onde volta a colaborar com o Jardim Botânico e a trabalhar na área do design, numa agência de publicidade, frequentando em simultâneo, o mestrado em Arte e Design no Espaço Público na Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto, desenvolvendo o tema “Jardim na cidade contemporânea: uma realidade distante”. Desde 2015, vive na ilha da Madeira tendo trabalhado numa empresa de produção de publicidade até Julho do presente ano. Neste momento, prepara novos projectos dentro da investigação e da arquitectura paisagista.

Top