ESCOLA DO PORTO SANTO


A 16 de Julho de 2019, o Município do Porto Santo, em protocolo de cedência de espaço municipal, cedeu a Escola Primária da Cidade Vila Baleira à PORTA33, por um prazo de 10 anos.

A Antiga Escola Primária da Vila Baleira, também conhecida como “Escola da Vila” pelos seus habitantes, projetada pelo arquiteto Raúl Chorão Ramalho, no final dos anos 50 do século XX, é um exemplo excecional na história da Arquitetura Moderna em Portugal. Distinguiu-se, à data da sua edificação, pela qualidade, inovação e autenticidade arquitetónica, pela tipologia e linguagem que contrariou os modelos-tipo do Plano de Escolas do Centenário em vigor, desafiando os campos da pedagogia na época.

A Escola é o ponto partida e núcleo de acolhimento para todas atividades propostas.

Hoje temos o objetivo de reativar; formar | desenvolver (equipes | públicos); criar; circular; tendo a arte e a cultura como base de transformação social, interligar territórios e aumentar o diálogo (inter)cultural, para que possamos numa operação crítica, reconhecer e ampliar os valores que o contexto da ilha apresenta.

A acção da PORTA33 para a ESCOLA DO PORTO SANTO distingue-se por propor um projeto integrador de todas componentes de reativação e revitalização da Antiga Escola, do ponto de vista arquitetónico do edificado, mas também por ambicionar reativar o seu papel pedagógico e social no território e na comunidade.

As salas de aula da Antiga Escola, tirando partido do excelente clima local, estendem-se amplamente a pátios ora exteriores, ora cobertos por grandes palas, potenciando atividades de domínios extraordinários. A sua tipologia inovadora inspira hoje um programa-laboratório que aspira estimular a contemplação, o lúdico, a descoberta, a responsabilidade e a liberdade, promovendo a formação dos afetos, a relação com o corpo, o reconhecimento da autonomia, a capacidade de lidar com desafios, o prazer em aprender.

Todo o programa de atividades, assim como a reorganização proposta do espaço, atenta e cuida o valor identitário do edifício material e imaterial, artístico e tecnológico, pretendendo captar e preservar o seu carácter original e as memórias nele conservadas, resgatando e recuperando, sempre que possível, características desaparecidas.

A originalidade do projeto reside ainda no facto de este nascer num contexto único de uma região ultraperiférica do espaço europeu, enquanto centro artístico e interdisciplinar, que promoverá a mobilidade artística para uma zona insular, através do seu amplo programa, contrariando desigualdades e promovendo a emancipação e sinergia entre o popular e o erudito, o tradicional e o contemporâneo.

Cremos que o Porto Santo oferece e potencia ainda possibilidades únicas para a realização humana e prevemos descodificar, partilhar, trabalhar, cruzar linguagens artísticas universais e saberes locais autênticos.

Sobre a PORTA33

A PORTA33 - Associação Quebra Costas, Centro de Arte Contemporânea, foi fundada no Funchal (ilha da Madeira), em 1989, como associação cultural privada, sem fins lucrativos, tendo sede no edifício com o nª de porta 33 da rua do Quebra Costas, da Cidade do Funchal. Declarada de Utilidade Pública conforme resolução nº 437/2002 do Conselho do Governo da Região Autónoma da Madeira, publicada no Jornal Oficial da Região Autónoma da Madeira (JORAM), Série I, nº 49 de 26 de Abril de 2002.

imagens_entrada

A PORTA33 enquanto lugar-laboratório de formação e criação visa a articulação Realização Humana-Desenvolvimento Sustentável, pelo implemento de múltiplas práticas artísticas e pedagógicas enraizadas no território e na sua comunidade. Focadas nas especificidades do Arquipélago da Madeira e das suas populações, os públicos específicos disponíveis e as necessidades locais, as nossas iniciativas, usando a memória e o potencial do lugar, têm permitido uma efectivação mais adequada do poder social, educativo e cívico das artes.

imagens_entrada

Com tais objectivos a PORTA33 fomenta o espírito crítico nas práticas que promove, aproximando pessoas de todas as áreas e idades que consolidam os laços entre os habitantes e o território em que vivem através da mais nobre das actividades a aprendizagem, educando para a cidadania, para a transformação social, para o bem-estar coletivo, colocando a dimensão artística e patrimonial ao serviço da Educação.

imagens_entrada

E a PORTA33, que sempre ocupou um lugar muito importante na cidade, é cada vez mais reconhecida como uma plataforma de afectos, de produção de conhecimento e de reflexão.” As atividades surgem assim impregnadas de elementos que denunciam a relação que cada autor mantém com o lugar que o acolhe. São criações únicas, que, fora deste contexto físico-psíquico, jamais se desenvolveriam, aprofundando o diálogo e a relação afetiva com o lugar, procurando e abrindo frestas para o florescimento de novos diálogos e novas relações. Na PORTA33, as criações individuais valem, além da sua linguagem e significado, enquanto experiência coletiva, constituindo-se como fonte de conhecimento, autoconhecimento e inquietação. É desta forma que estamos a cumprir o nosso desígnio: através da arte e do pensamento, estabelecer vínculos orgânicos e dinâmicos com a cidade do Funchal, com resto do território, nas suas múltiplas dimensões, e com todos os seus habitantes e visitantes, sem esquecermos as pontes com o espaço continental, traduzidas em tantas iniciativas que têm migrado de cá para lá e de lá para cá, num exercício de permanente e profícuo diálogo entre as duas margens.

imagens_entrada

Em suma, formar e propagar uma consciência pulsante sobre o(s) lugar(es), nas dimensões histórica, artístico-cultural, ecológica, sociológica, filosófica e poética. Comunicar com a comunidade, fomentando, mediante um programa de atividades, um sentimento de pertença em relação ao território é um dos principais objetivos inscritos na missão assumida pela PORTA33. Uma vez mais, é de envolvimento [profundo e multiforme] que falamos, sendo nesse sentido que se desenvolve, por inteiro e firmemente, a nossa atual estratégia de actuação.

imagens_entrada

Em 2020, no Dia da Região Autónoma da Madeira, por deliberação do Governo Regional foi-lhe atribuída a Insígnia Autonómica de Distinção, que celebra as entidades de mérito ao serviço desta Região Autónoma e das suas Comunidades. Ainda em 2020, a PORTA33 foi também distinguida com o Prémio Educação Artística 2020, prémio instituído pela Direção Regional da Educação em parceria com o Conservatório — Escola Profissional de Artes da Madeira.

imagens_entrada

Desde 1990, a PORTA33 é dirigida por Cecília Vieira de Freitas e Maurício Pestana Reis, seus mentores, sendo ambos responsáveis pela programação e estratégias de financiamento, promoção e demais encargos.

APOIO INSTITUCIONAL
Logo República Portuguesa
Logo direcção Geral das Artes
Logo direcção Geral das Artes
Logo governo
Logo Secretaria cultura
Logo Secretaria educação
Logo Secretaria educação
Logo Secretaria educação
Logo Câmara Municipal Porto santo
Instit
sociedade de desenvolvimento Porto Santo
Tintas Cin
mil folhas
plano nacional das artes