ESCOLA DA VILA ― CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO COMUM
Exposição comissariada por Madalena Vidigal e Diogo Amaro
Escola do Porto Santo — 25.06. 2021 — 30.10.2021
imagens Crédtos: Escola Primária do Porto Santo, Autor: desconhecido, Data: [196-]
Cedência: Secretaria Regional de Turismo e Cultura | Direção Regional do Arquivo e Biblioteca da Madeira

ESCOLA DA VILA ― CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO COMUM exposição comissariada por Madalena Vidigal e Diogo Amaro


Durante várias décadas, a Antiga Escola Primária da Vila do Porto Santo, também conhecida pela população como Escola da Vila, serviu o seu propósito de estabelecimento de ensino até à saída da comunidade escolar. A escola faz parte da memória e identidade de todas as gerações de habitantes da Vila e foi exemplar na relação do espaço arquitetónico com a infância enquanto lugar onde se ativa o encontro com a mais nobre das atividades, a aprendizagem. Após o abandono da escola (em 2018), a Câmara Municipal do Porto Santo estabeleceu um protocolo com a PORTA33 (em 2019) com o intuito desta transformar o espaço da Antiga Escola num local de residências e atividades artísticas, em comunhão e associação com a comunidade local.

A “Escola da Vila” é hoje, objeto de análise e reflexão nesta mostra expositiva, que pretende assinalar a reabertura e reativação do seu edifício, com um novo propósito — um novo Espaço Cultural e de Residências Artísticas — promovido pela PORTA33, que agora inicia um processo de devolução da Escola à sua comunidade.


Exposição aberta ao público de terça a sábado das 10h às 13h ou noutro horário previamente solicitado.
Até 30 de Outubro.

imagens Crédtos: Escola Primária do Porto Santo, Autor: desconhecido, Data: [196-]
Cedência: Secretaria Regional de Turismo e Cultura | Direção Regional do Arquivo e Biblioteca da Madeira

Madalena Vidigal (Lisboa, 1992). Concluiu o Mestrado Integrado em Arquitetura em 2016 pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, com uma tese sobre o arquitecto madeirense Rui Goes Ferreira. Realizou um intercâmbio na Academia de Arquitetura de Mendrisio, Suíça, e efetuou um estágio curricular com Lynch Architects, em Londres. Em 2017, iniciou a sua prática e desde então, tem-se concentrado em confrontar e desafiar diferentes perspetivas da prática da arquitectura, tais como investigação, curadoria e desenvolvimento de projectos; tendo colaborado com Porto Academy Summer School (como assistente dos ateliers SAMI, Jun Igarishi e BAST), Baixa Atelier de Arquitectura, André Tavares (Dafne Editora), Barbas Lopes Arquitectos e mais recentemente com Duarte Belo na exposição “Atlas Suzanne Daveau” e a PORTA33 no projeto reativação da Antiga Escola da Vila do Porto Santo.

Diogo Amaro. Mestrado em Arquitetura (FAUP, Porto - 2016) e artesão das artes e ofícios em Madeira - Marceneiro Embutidor (FRESS, Lisboa - 2020). Entre 2015 e 2018 colabora em ateliers de arquitetura em Portugal e no estrangeiro. Em 2017 vence o prémio Viana de Lima - Arquitetura. Entre 2018 e 2020 aprofundou o seu conhecimento nas artes e ofícios em Madeira com os mestres marceneiros da FRESS, desenvolvendo atualmente investigação e prática em arquitectura e projectos de mobiliário.

Ana Tostões
Arquitecta, crítica e historiadora da Arquitectura, é presidente do Docomomo Internacional e editora do Docomomo Journal desde 2010 tendo publicado 24 revistas temáticas sobre a documentação e conservação da arquitectura moderna no mundo. Durante o seu mandato, o Docomomo passou de uma organização maioritariamente eurocêntrica para uma rede de dimensão global coordenando mais de 70 países nos cinco continentes (www.docomomo.com).
Professora Catedrática no Técnico-Universidade de Lisboa onde é coordenadora da área científica de Arquitectura, do programa de Doutoramento e da linha de investigação em Arquitectura do centro de investigação CiTUA. É visiting Professor da Universidade de Toquio, da École Polytechnique Fédérale de Lausanne, Katholik University Leuven, da Escola Tècnica Superior d'Arquitectura de Barcelona, da Escola de Arquitectura da Universidad de Navarra e da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. O seu campo de pesquisa é a história crítica da arquitectura e do urbanismo modernos. Sobre estes temas, publicou livros e artigos científicos, foi curadora de exposições, participou em júris, comités científicos e realizou palestras em universidades Europeias, Americanas e Asiáticas.
Comissariou a Exposição “Arquitectura do Século XX em Portugal”, patente no CCB e no Deutsches Architektur Museum em Frankfurt. Publicou Os Verdes Anos na Arquitectura Portuguesa (FAUP, 1997) e Idade Maior, Cultura e Tecnologia na Arquitectura Moderna Portuguesa (FAUP, 2015) galardoada com o Prémio da X Bienal Ibero-Americana de Arquitectura y Urbanismo. Editou Arquitectura Moderna em África: Angola e Moçambique distinguido com o prémio Prémio Gulbenkian da Academia Portuguesa de História. Investigadora responsável do projecto “Curar e Cuidar” focado no estudo crítico dos equipamentos de saúde construídos em Portugal no século XX, reunidos no livro Cure & Care, architecture and health (2020).

Emanuel Gaspar
Mestre em Arte e Património (2009), pelo Departamento de Arte e Design da Universidade da Madeira e é licenciado em História, variante História da Arte (1996), pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Tem trabalhado, ultimamente, em investigação sobre o Património Arquitectónico Modernista e Moderno no Arquipélago da Madeira.
É professor efetivo do Ensino Básico e Secundário.
Foi responsável pela Secção do Património, da Associação de Arqueologia e Defesa do Património da Madeira (ARCHAIS).
É orador em conferencias sobre o Património Móvel e Imóvel da ilha da Madeira. É autor de projetos de classificação de edifícios históricos do Arquipélago da Madeira, guionista e apresentador de programas televisivos sobre História e Património Imóvel.
Tem trabalhos publicados na área do Património Cultural e é corresponsável pela elaboração de alguns inventários concelhios do Património Imóvel da Região Autónoma da Madeira.
É Coordenador da Casa da Cultura de Santa Cruz | Quinta do Revoredo.
É investigador do Centro de Investigação em Estudos Regionais e Locais da Universidade da Madeira.

Víctor Mestre Arquiteto Doutorado, autor do livro “Arquitectura Popular da Madeira”. Prémio Nacional de Reabilitação Urbana 2018, categoria restauro European Union Prize for Cultural Heritage / Europa Nostra Award 2013, categoria Conservação do Património

Fátima Menezes Arquiteta e ex-Presidente da Câmara Municipal do Porto Santo, coordenadora [com Élvio Duarte Martins Sousa] do livro “Inventário do Património Imóvel da Ilha do Porto Santo”.

--

Mauricio Pestana Reis Co-fundador e co-responsável da PORTA33

Paulo David Nasce no Funchal. Diploma pela Faculdade de Arquitectura, UTL, Lisboa. Pelo percurso do seu atelier, recebe referências que destaca como o texto de José Tolentino Mendonça “Saber ouvir os lugares” e o de Valter Hugo Mãe “Falar com os vulcões. Recebeu a sua maior distinção com a Medalha Alvar Aalto atribuída em Helsínquia; a sua obra foi considerada pelo júri como: “enraizada localmente, mas ao mesmo tempo universal. É um lembrete que a arquitectura pode ser calma, serena, lírica, poderosa e distante do espectáculo.”; e o Prémio AICA | da Associação Internacional de Críticos de Arte/Ministério da Cultura “pela vitalidade da sua obra pública no contexto insular, nacional e internacional”; É convidado para as exposições: “Global Ends – Towards the Beginning” na Gallery Ma em Tóquio, para assinalar o 25º aniversário da galeria; “Inverted Ruins” que integrou a 15ª Bienal de Arquitectura de Veneza; “Contemplating the Void no Museu Guggenheim em Nova Iorque, 2010, comemorativa do 50º aniversário do Museu de Frank Lloyd Wright; “Paisagem como Arquitectura” na Garagem Sul do CCB, Lisboa, em 2015. Em 2017 integrou o Option Studio, Cornell University College of Architecture, NY, como professor gensler. É professor convidado na Scuola di Architettura, Polo di Mantova, Politecnico di Milano, Italia desde 2016 e no Instituto Superior Técnico, Lisboa, desde 2019. Como complemento da sua actividade, é interventor, criando um Laboratório de Arquitectura_Atelier Funchal, centrado em temas emergentes da sua cidade. Fundou e coordenou um atelier urbano denominado “Gabinete da Cidade” como consequência dos grandes incêndios ocorridos no Funchal no verão de 2016.